Barreiras sanitárias seguem montadas nas principais entradas de Simões Filho

O combate ao Coronavírus segue acontecendo de modo intensificado em Simões Filho. As medidas de enfrentamento à pandemia continuam sendo realizadas por equipes do poder público, tais como as barreiras sanitárias, que continuam instaladas nas principais entradas da cidade, contribuindo para a identificação dos casos e redução da curva de infectados pelo novo vírus. As … Leia Mais


Simões Filho registra 1.289 casos da Covid-19

Simões Filho registra 1.289 casos da Covid-19, de acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (30). O poder público municipal segue desenvolvendo ações de combate ao vírus e alertando a população acerca da importância do isolamento social, assim como demais medidas preventivas. Até o momento, 2.891 (dois mil oitocentos e noventa e um) casos … Leia Mais


Bahia tem primeira morte por febre amarela desde 2000

A Bahia registrou a primeira morte por febre amarela desde o ano 2000. A pessoa que ficou doente era um homem, que morava em São Paulo. O estado é um dos que vão receber a dose fracionada da vacina. O repórter José Roberto Burnier traz mais detalhes sobre essa vacinação em doses menores. Nos postos de … Leia Mais


Guarda Civil alerta para recolhimento correto de macacos mortos


A Guarda Municipal de Salvador (GCM) recolheu, nesta segunda-feira (15), três macacos mortos e remoção de um ferido. Os animas encontrados já mortos foram nos bairros do Cabula, Mussurunga e Itapuã, e encaminhados ao Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Muniz (Lacen), para atestar se a causa da morte foi por febre amarela. O macaco encontrado ferido, em Vila Canária, foi levado para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Ceta/Ibama), onde ficará em quarentena para realização de exames.

O Grupamento Especial de Proteção Ambiental (GEPA) da GCM, responsável pelo recolhimento desses animais, alerta para os cuidados necessários nesse procedimento. “É importante que, ao perceber um macaco doente ou morto, a pessoa entre em contato conosco imediatamente. Não deve tentar pegá-los, seja para alimentar, cuidar ou dar água, e não deve entrar em contato com o animal, de jeito nenhum”, alerta o supervisor de operações do GEPA, Robson Pires.

De acordo com o chefe do grupamento, a equipe é treinada para recolher esses animais de forma adequada e com equipamentos específicos, para evitar a contaminação. Quando já estão mortos os macacos são acondicionados em sacos próprios e os agentes usam luvas em todos os processos. Desde o início do ano, a GCM contabilizou 12 primatas recolhidos. Até o dia 12 de dezembro do ano passado, o Lacen diagnosticou 52 macacos com febre amarela.

Liberação – Aqueles animais encontrados ainda vivos, mas debilitados, são soltos na natureza, após a realização de todos os exames necessários durante o período da quarentena, atestando boa saúde. É importante que as pessoas não matem os macacos, já que eles não são transmissores da febre amarela – e sim, o mosquito Aedes aegypti. “Eles funcionam como sentinelas, pois quando morrem nos dão sinal para que a equipe da Vigilância Sanitária consiga identificar o foco e tratar de forma adequada”, explica Pires.